Pinaúna Editora

O Delicado Regresso

Danilo Uzêda da Cruz ¹

Em O delicado Regresso: as esquerdas, Lula e o PT no retorno ao jogo político, publicado pela Pinaúna Editora e com um prefácio primoroso do prof. Dr. Fabrício Pereira, abordamos questões sobre um contexto adverso para a grande política e necessária radicalização da esquerda para suplantar a agressividade na política, o elogio ao ódio como prática de interação social e a crise da saúde pública após a Pandemia por Covid-19. Tudo isso exigirá que pensemos “como será logo ali adiante”. Questões cruciais não foram ainda respondidas. Se o PT voltar ao poder, como será? O que restou do lulismo? Ou ainda: Quais os caminhos para enfrentar o bolsonarismo, deles e os nossos?

Como um exercício dialético e analítico, nos debruçamos em cenários possíveis com o regresso ao jogo político do ex-presidente Lula, os aprendizados e horizontes desafiadores para a sociedade e para o sistema político nas eleições de 2022.

Ladeados do otimismo em política, teremos população vacinada e eleições regulares garantidas pelo sistema político, o passo seguinte é superar os dilemas da esquerda e enxergar onde e qual está morta, exigindo renovação filosófica, política e virada na proposição de políticas, ciando novos caminhos e de renovação do pensamento democrático para contar com elementos societais reais, e não apenas de bons referenciais teóricos que nos coloque entre os aceitos. A crítica é condição para o desenvolvimento político, social, cultural. Reestabelecer um debate entre adversários, opositores, divergentes é uma das razões que nos levou a escrever o livro.

Existe muito a trilhar até 2022, vencer o obscurantismo que habita a sociedade – e parte da esquerda, superando dilemas regionais e criando um projeto nacional. Vencer, como bem lembrou Fabrício Pereira, o militarismo militante que espreita tomar na mão grande ou nas eleições o “poder que emana do povo”, enxergando a nova sociedade diferente daquela que elegeu o projeto político de Lula em 2002. Aliás, anotemos que os governos Lula e Dilma foram responsáveis por uma grande transformação social e superação da pobreza de milhões de pessoas, sobretudo no mundo rural. Mas o custo foi muito alto.

Será preciso falar para pessoas pauperizadas, uma nova população de miseráveis e endividados, cansados de barganhar. Será preciso convencer mais pessoas a enfrentar o feminicídio, racismo, extermínio de jovens periféricos, subalternização de trabalhadores. Por fim, vencer o ódio como marca das relações, com consequente “cancelamento” de populações inteiras da vida social, da agenda política e da troca informacional.

Se a negligência e as novas descobertas da CPI-COVID 19 ainda mantém qualquer aceitação a Bolsonaro, isso é um sinal de preocupação, senão de desespero.

[1] Historiador, Doutor em Ciências Sociais/UFBA, Pós-doutor em Desigualdades Globais e Justiça Social/UNB/FLACSO. Pesquisador do DEPARE/UFBA. Email: danilohistoria@yahoo.com.br. Autor de O Delicado Regresso: as esquerdas, Lula e o PT no retorno ao jogo político. Pinaúna Edutora, 2021.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *