Pinaúna Editora

NÃO VAMOS RECUAR, NEM UM PASSO ATRÁS

Carla Brito. Foto: Acervo Pessoal

Há séculos nosso povo luta,
pelo direito de viver,
numa corda bamba
A corda diversas vezes rompeu,
pro nosso lado

Algumas caíram e no chão ficaram,
outras caíram e levantaram,
mas não fomos derrotadas

Resistimos
Mais de séculos resistindo ao genocídio,
do colonizador, do rei,
do príncipe, do imperador
Do caralho a quatro
Agora resistimos ao Estado

Oceano apontado para nós,
navio apontado para nós,
Fome
Pelourinho
Chibata
Estupro
Maus-tratos
Bala apontada para nós,
corona apontado para nós

2020
Não sabemos se morremos,
de tiro ou covid

Se ficamos em casa,
ou damos a cara à tapa
Temos um verme no poder,
dando aval para nosso corpo
como alvo permanecer

O fascismo em ascensão,
mostra sua cara mais feia
A tensão torna-se mais estreita
Está polarizado,
desça do muro,
escolha seu lado,
mas veja para onde o fuzil está apontado
para não atirar no próprio pé

Tá ligado como aqui é?
Miliciano é presidente,
fascista é cidadão de bem,
trabalhador é vagabundo,
estudante é plantador de fumo

Podem tentar arruinar
o nosso mundo
Mas a cada preto que morre,
pelas mãos do Estado,
uma legião se junta ao nosso legado

Não vão nos calar,
o povo preto vai se manter aquilombado
Como dizem por aí:
“Tentaram nos enterrar,
mal sabiam que éramos sementes”
Nem um passo atrás,
sigamos em frente.

Autora: Carla Brito

O poema Não vamos recuar, nem um passo atrás é parte do livro Taunina: entre escrevivências e poesias (Pinaúna Editora, 2021), de autoria de Carla Brito 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *